May 09 2010

Nilton Martins em destaque nos palcos da sétima arte luxemburguesa

Published by at 01:41 under Acting,Articles

SOURCE: http://correio.editpress.lu/cultura/3681.html – Alexandra Araújo

Nilton Martins nasceu no Luxemburgo há 27 anos. Recentemente participou no filme “Trouble no more” onde desempenhou um dos papéis principais. Para além de actor, Nilton é DJ e professor.

Nilton Martins viveu quatro anos em Paris onde frequentou a Escola Internacional de Criação Audiovisual e de Realização (EICAR) durante três anos. Na altura teve conhecimento de que o realizador luxemburguês Andy Bausch estava a proceder às filmagens de um novo filme, Deepfrozen, no qual ainda conseguiu participar como figurante. “Eramos um grupo de bombeiros. Mas eramos figurantes importantes que aparecemos 2 ou 3 vezes no filme”, conta o actor português.

Mais tarde Nilton foi contactado pelo realizador que o convidou para participar no documentário “Entrée d’artists. “Tratava-se de um documentário sobre o jazz no Luxemburgo, nos anos 40 e 60. No filme tocava saxofone”, recorda.
Foi nesta altura que o Andy Bausch o convidou para participar no “Trouble no more”, o último filme da trilogia. “Pensava que era para desempenhar um papel pequeno porque estava a começar mas quando recebi o guião vi que, afinal era um papel importante. São cinco personagens no filme que são importantes e eu era uma delas”.
Contudo, as filmagens do “Trouble no more” atrasaram dois anos devido à doença do actor Thierry van Verweke, que faleceu em Janeiro de 2009.
Durante o tempo que Nilton Martins esteve em Paris teve também oportunidade de participar em duas peças de teatro.
“Durante a minha formação tentei trabalhar no Luxemburgo e em Paris. No Luxemburgo fiz algumas peças com um clube de jovens amadores de Beck-Kneinmacher que gostam de fazer teatro. Também já escrevi duas peças e traduzi uma outra. A última coisa que realizei foi uma soirée sketch sobre os homens e as mulheres. Representámos a peça em Wellenstein, em Aspelt e em Weiler-la-Tour e agora em Outubro vamos representá-la em Bettembourg”.
Em Paris, Nilton estudou, entre outros assuntos, teatro, dança como se comportar em frente às câmaras, etc. Realizou ainda algumas curtas-metragens. No Luxemburgo realizou também uma peça intitulada Josh.
Teatro ou cinema?
A paixão pelo cinema começou cedo, depois de ter assistido a um filme na escola: “O sonho de representar começou aos 12 anos depois de ter visto o ‘Forester Gump’. Em casa já via filmes que me interessavam mas foi esse filme que me deu o clique”.
Agora o seu sonho é “de um dia vir a conseguir um grande papel num filme”.
Nilton Martins já conta com participações em filmes e também em teatro, mas confessa que o teatro tem sido uma descoberta e que a sua preferência recai, sem dúvida, na sétima arte.
Como espectador, o português diz não ter um filme preferido nem um estilo, gosta de ver de tudo, à semelhança do que acontece com a música.
Para interpretar prefere o estilo comédia. “Divertir as pessoas e fazer rir as pessoas é o que gosto mais”, diz.
Actualmente, Nilton Martins está a filmar “La mano de Dios“. “O filme é sobre um argentino que foi expulso devido a uma bulha no mundial de 2006. No filme não sou a personagem principal mas sou o melhor amigo dele. Tenho duas frases em português”, adianta.
Para além de actor, Nilton trabalha como DJ e dá aulas de representação as mais novos.
Muito em breve Nilton vai participar numa peça no Teatro Nacional do Luxemburgo. “Vou começar em Maio com os ensaios no TNL e vai ser o meu primeiro papel em alemão. A peça chama-se “Don Jones”, observa.
Sendo português, Nilton Martins diz que gostaria de conjugar a língua luxemburguesa com a portuguesa numa peça. “Gostaria de escrever uma curta-metragem em luxemburguês e português. Escrever uma peça inteiramente em português, seria difícil para mim”, reconhece um pouco tristonho.

Comments

comments

SOURCE: http://correio.editpress.lu/cultura/3681.html – Alexandra Araújo

Nilton Martins nasceu no Luxemburgo há 27 anos. Recentemente participou no filme “Trouble no more” onde desempenhou um dos papéis principais. Para além de actor, Nilton é DJ e professor.

Nilton Martins viveu quatro anos em Paris onde frequentou a Escola Internacional de Criação Audiovisual e de Realização (EICAR) durante três anos. Na altura teve conhecimento de que o realizador luxemburguês Andy Bausch estava a proceder às filmagens de um novo filme, Deepfrozen, no qual ainda conseguiu participar como figurante. “Eramos um grupo de bombeiros. Mas eramos figurantes importantes que aparecemos 2 ou 3 vezes no filme”, conta o actor português.

Mais tarde Nilton foi contactado pelo realizador que o convidou para participar no documentário “Entrée d’artists. “Tratava-se de um documentário sobre o jazz no Luxemburgo, nos anos 40 e 60. No filme tocava saxofone”, recorda.
Foi nesta altura que o Andy Bausch o convidou para participar no “Trouble no more”, o último filme da trilogia. “Pensava que era para desempenhar um papel pequeno porque estava a começar mas quando recebi o guião vi que, afinal era um papel importante. São cinco personagens no filme que são importantes e eu era uma delas”.
Contudo, as filmagens do “Trouble no more” atrasaram dois anos devido à doença do actor Thierry van Verweke, que faleceu em Janeiro de 2009.
Durante o tempo que Nilton Martins esteve em Paris teve também oportunidade de participar em duas peças de teatro.
“Durante a minha formação tentei trabalhar no Luxemburgo e em Paris. No Luxemburgo fiz algumas peças com um clube de jovens amadores de Beck-Kneinmacher que gostam de fazer teatro. Também já escrevi duas peças e traduzi uma outra. A última coisa que realizei foi uma soirée sketch sobre os homens e as mulheres. Representámos a peça em Wellenstein, em Aspelt e em Weiler-la-Tour e agora em Outubro vamos representá-la em Bettembourg”.
Em Paris, Nilton estudou, entre outros assuntos, teatro, dança como se comportar em frente às câmaras, etc. Realizou ainda algumas curtas-metragens. No Luxemburgo realizou também uma peça intitulada Josh.
Teatro ou cinema?
A paixão pelo cinema começou cedo, depois de ter assistido a um filme na escola: “O sonho de representar começou aos 12 anos depois de ter visto o ‘Forester Gump’. Em casa já via filmes que me interessavam mas foi esse filme que me deu o clique”.
Agora o seu sonho é “de um dia vir a conseguir um grande papel num filme”.
Nilton Martins já conta com participações em filmes e também em teatro, mas confessa que o teatro tem sido uma descoberta e que a sua preferência recai, sem dúvida, na sétima arte.
Como espectador, o português diz não ter um filme preferido nem um estilo, gosta de ver de tudo, à semelhança do que acontece com a música.
Para interpretar prefere o estilo comédia. “Divertir as pessoas e fazer rir as pessoas é o que gosto mais”, diz.
Actualmente, Nilton Martins está a filmar “La mano de Dios“. “O filme é sobre um argentino que foi expulso devido a uma bulha no mundial de 2006. No filme não sou a personagem principal mas sou o melhor amigo dele. Tenho duas frases em português”, adianta.
Para além de actor, Nilton trabalha como DJ e dá aulas de representação as mais novos.
Muito em breve Nilton vai participar numa peça no Teatro Nacional do Luxemburgo. “Vou começar em Maio com os ensaios no TNL e vai ser o meu primeiro papel em alemão. A peça chama-se “Don Jones”, observa.
Sendo português, Nilton Martins diz que gostaria de conjugar a língua luxemburguesa com a portuguesa numa peça. “Gostaria de escrever uma curta-metragem em luxemburguês e português. Escrever uma peça inteiramente em português, seria difícil para mim”, reconhece um pouco tristonho.

Comments

comments

No responses yet

Trackback URI | Comments RSS

Leave a Reply